domingo, 12 de dezembro de 2010

Un cambio de paradigma en la salud mental



Senado Argentino aprova nova Lei de Saúde Mental

Segue abaixo reportagem do jornal Pagina 12

Por Pedro Lipcovich


Se sancionó la nueva Ley de Salud Mental, por la cual “queda prohibida la creación de nuevos manicomios o instituciones de internación monovalentes, públicos o privados”. La ley promueve dispositivos alternativos como “casas de convivencia y hospitales de día”. Modifica el Código Civil para impedir las internaciones de personas por su “peligrosidad”. Las internaciones involuntarias quedan restringidas y sujetas a control por un órgano de revisión en el que participarán organismos de derechos humanos. Se propicia que las internaciones, siempre por lapsos breves, se efectúen en hospitales generales: éstos –si se cumple la ley– no podrán negarse a recibir a estos pacientes porque esto “será considerado acto discriminatorio”. También se modifica el sistema de inhabilitaciones: hasta ahora, una persona que, en el marco de una crisis, perdiera capacidad para administrar sus bienes, podía quedar privada para siempre de todos sus derechos. Además los profesionales y empleados en instituciones psiquiátricas serán “responsables de informar, al juez y al órgano de revisión, sobre cualquier trato indigno o inhumano”.
Las instituciones monovalentes que ya existen “se deben adaptar a los objetivos y principios” de la ley, “hasta su sustitución definitiva por los dispositivos alternativos”. A diferencia de otras leyes en el mundo, ésta no llega a prohibir lisa y llanamente la internación en estas instituciones.
Para facilitar las externaciones, la normativa requiere “promover servicios de inclusión social y laboral para personas después del alta institucional; atención domiciliaria supervisada y apoyo a grupos familiares y comunitarios; casas de convivencia, hospitales de día, cooperativas de trabajo, centros de capacitación y familias sustitutas”.
Las internaciones involuntarias requerirán una evaluación interdisciplinaria; según el régimen anterior, era suficiente el dictamen del psiquiatra. El juez debe autorizar cada internación, pero pierde la facultad de ordenar internaciones; también se suprime el requisito de pedir autorización del juez para dar el alta. “En distintas provincias hay muchos pacientes cuya alta se demora porque el juez no la autoriza”, comentó Leonardo Gorbacz, quien, como diputado, presentó el proyecto original, y hoy es asesor en la Jefatura de Gabinete de la Nación.
Conceptualmente, se modificó el Código Civil para reemplazar el criterio de internación, que obedecía a la noción de “peligrosidad para sí o para terceros”, por la constatación de “riesgo cierto e inminente”. Esto ha sido requerido en dos oportunidades por la Corte Suprema de Justicia.
Transcurridos noventa días de una internación involuntaria, si la institución insiste en mantener a la persona bajo encierro, la ley exige una segunda opinión, a cargo del órgano de revisión que la propia ley establece. Si este organismo se expide en contra, la institución deberá dejar en libertad al paciente. Además, “los asistidos, sus abogados o familiares tienen derecho a acceder a las historias clínicas y a tomar decisiones relacionadas con su tratamiento”.
Se propicia que las internaciones se efectúen en hospitales generales. En éstos, “el rechazo de la internación de pacientes por el solo hecho de tratarse de problemática de salud mental será considerado acto discriminatorio”.
La ley también ordena realizar un censo nacional de las personas internadas en instituciones públicas y privadas. “Las clínicas privadas son las que están menos controladas, ya que las inspecciones se limitan a condiciones edilicias: el censo determinará si hay personas secuestradas de hecho”, observó Gorbacz.
El órgano de revisión incluirá representantes de asociaciones de usuarios y familiares, de los profesionales y otros trabajadores de la salud, de organizaciones de defensa de los derechos humanos, de las defensorías oficiales y del Poder Ejecutivo. Sus funciones incluirán “supervisar de oficio o por denuncia de particulares las condiciones de internaciones por salud mental en el ámbito público y privado”.
Además, “los integrantes, profesionales o no, del equipo de salud, son responsables de informar al órgano de revisión y al juez sobre cualquier trato indigno o inhumano a personas bajo tratamiento. Dicho procedimiento se podrá realizar bajo reserva de identidad”.
Se modifica el sistema de inhabilitaciones: “Hasta ahora –señaló Gorbacz–, una persona que, en una circunstancia de crisis, no estaba en condiciones de administrar sus bienes inmuebles, podía quedar inhabilitada, generalmente de por vida, para todos sus derechos personales, como casarse o votar”. La nueva ley dice que la inhabilitación “no podrá extenderse por más de tres años y deberá especificar las funciones y actos que se limitan, procurando que la afectación de la autonomía personal sea la menor posible”.
La ley es “de orden público”, lo cual implica que debe ser cumplida en todas las jurisdicciones del país sin requerir adhesión específica. Tenía media sanción de Diputados desde el año pasado y fue aprobada en la madrugada de ayer en la Cámara de Senadores con una sola abstención, la del radical Nito Artaza. La ley fue explícitamente apoyada por la Organización Panamericana de la Salud (OPS)/Organización Mundial de la Salud (OMS).

© 2000-2010 www.pagina12.com.ar|República Argentina|Todos los Derechos Reservados
Sitio desarrollado con software libre GNU/Linux.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Seminário do Grupo de Estudos "Saúde Mental e Foucault"

O Grupo de Estudos "Saúde Mental e Foucault" convida para o Seminário de encerramento do semestre "A infância e a adolescência em questão".

O evento será realizado no dia
29/11/2010, às 19:00hs, no Auditório Baesse (4 andar da FAFICH-UFMG).





Será uma ótima oportunidade para trocar impressões quanto ao tema e discutir possibilidades para o Grupo de Estudos no próximo semestre.
Compareçam!!

Info: (31) 3409-6281
- Laboratório L@gir


Companhia de Teatro de Trieste estará em Belo Horizonte!


A companhia italiana de teatro Accademia della Follia estará em Belo Horizonte para apresentar o espetáculo “Extravagância” no dia 27 de novembro, sábado, às 16.00hs no Teatro do Colégio Arnaldo, Rua Timbiras 560, Bairro Funcionários.

A entrada será franca e por ordem de chegada. O Teatro tem 350 lugares.


Informações: Ponte entre Culturas -MG

Tel. Fax. 55 31 3227-9963

Cel. 55 31 9781-1938

www.ponteentreculturas.com.br

www.festivalpalcoitalia.com.br




terça-feira, 28 de setembro de 2010

Seminário "Saúde Mental: Marcos Conceituais e Campos de Prática"


Professores e estudantes de diversas instituições formadoras, reunidos no Fórum de Formação em Saúde Mental de Minas Gerais, promoverão o Seminário "Saúde Mental: Marcos Conceituais e Campos de Prática"nos dias 04, 05 e 06 de novembro, no Campus da Universidade FUMEC.
O evento pretende discutir os marcos conceituais e campos de prática da formação em Saúde Mental.


Os idealizadores do encontro defendem a ideia de que é necessário adequar o ensino às demandas das redes de cuidado que visam superar o hospital psiquiátrico, afirmando a cidadania do portador de sofrimento mental.
Importantes iniciativas buscam contemplar estes aspectos - e um dos objetivos do seminário consiste em oferecer-lhes divulgação e realce. Contudo, esse novo enfoque, presente sobretudo no âmbito da extensão e em raras disciplinas da graduação, atinge apenas a minoria dos alunos hoje formados pela universidade.
Sem perder de vista, portanto, a reflexão sobre a estrutura de formação e ensino da nossa sociedade, há que examinar as questões da formação e do ensino na Saúde Mental, problematizando e recompondo os marcos conceituais e os campos de prática que a constituem.

Visite o Blog do Espaço Saúde de Minas Gerais para mais informações. Basta clicar AQUI.
No Blog já se encontra disponível a programação do evento e é através dele que devem ser feitas as inscrições.

PREÇOS DAS INSCRIÇÕES:
R$5,00 USUÁRIO
R$15,00 ESTUDANTE
R$30,00 PROFISSIONAL

Telefones para contato: JARBAS (31) 86084150 e ANNA LAURA (31) 91439195.

Aguardamos vocês no encontro! Abraços!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Livro "Reforma Psiquiátrica: as experiências francesa e italiana" concorre ao Prêmio Jabuti.

Gostaríamos de parabenizar a coordenadora do Projeto Cartografia, Profa. Izabel C. Friche Passos, pela indicação de seu livro ao 52º Prêmio Jabuti, na categoria Educação, Psicologia e Psicanálise.
Veja as demais publicações finalistas clicando AQUI!
Parabéns pela indicação, Izabel. Estamos torcendo pela vitória!
Assista também a entrevista de Izabel C. F. Passos e Paulo Amarante sobre o livro no Canal Saúde. Clique AQUI para assistí-lo.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Conversando sobre Psicologia e Política na contemporaneidade

Teremos um importante encontro na próxima quinta-feira, dia 19/08/2010, às 20:00 hs.

Se reunirão para uma conversa CÉLIO GARCIA, GREGÓRIO BAREMBLITT E FERNANDA OTONI, em evento organizado pela Chapa 11 " Pra cuidar da Profissão", candidata à gestão do CRP-MG.

O evento acontecerá na Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, na Av. Augusto de Lima, n. 2061, Belo Horizonte.

Contamos com a presença de todos!


Para maiores informações: http://www.pracuidarminas.org/


sábado, 31 de julho de 2010

I Encontro Nacional de Estudantes Antimanicomiais – ENEAMA


O I Encontro Nacional de Estudantes Antimanicomiais será um importante evento para os estudantes do Brasil, usuários dos serviços substitutivos e para o fortalecimento da rede de saúde mental do país.


Inscrições
Até o dia 31 de agosto de 2010. Mas fique atento! Por causa da infra-estrutura, o encontro terá um limite de 300 participantes. Assim, a inscrição só estará garantida com o pagamento e envio do comprovante para o email do eneama. As inscrições podem ser feitas no site do evento. Até 8 de agosto o valor da inscrição é R$40,00. Depois disso, passa para R$50,00.

Incrições de trabalhos
Espaço que se propõem a ser interativo na construção do ENEAMA. Os trabalhos deverão ser submetidos até 16 de agosto de 2010.

Infra-estrutura
No valor da inscrição está incluso o alojamento durante os quatro dias do evento. Informaremos em breve sobre a alimentação. O evento acontecrá nas dependências da UFRGS (Campus do Vale) e o alojamento será no Colégio de Aplicação UFRGS.

Público-alvo
Estudantes de diversos cursos de graduação vinculados a saúde mental, usuários dos serviços, familiares, estudantes de residências multiprofissionais em saúde e profissionais da área.

Precisa de mais informações?
Escreva para: eneama.org@gmail.com

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Atendimento psicológico a crianças e adolescentes em Ibirité

Na Fundação Helena Antipoff, fica a sede da Clínica Edouard Claparède, que oferece à comunidade de Ibirité atendimento psicológico a crianças e adolescentes com até 18 anos. Na clínica, são desenvolvidos serviços de atendimento em questões relativas à saúde mental e dificuldade de aprendizagem infanto-juvenil. São vários os profissionais envolvidos, dentre eles, psicólogos, fonoaudiólogos, psiquiatras e professores em geral.

O responsável pela criança ou adolescente deverá marcar a primeira consulta pessoalmente, sendo obrigatória a apresentação de encaminhamento médico ou da escola, comprovando a necessidade de atendimento psicológico. É necessário levar os seguintes documentos: carteira de identidade do responsável e do menor e comprovante de endereço.

As modalidades de atendimento são as seguintes: psicodiagnóstico, psicoterapia breve, psicoterapia de grupo, ludoterapia (terapia com a utilização de brincadeiras), orientação aos pais, consulta médica pediátrica, apoio pedagógico, fonoterapia e avaliação e orientação fonoaudiológica, além de palestras a respeito desses temas. A clínica funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e o serviço é gratuito.

Para mais informações e detalhes, entre em contato com a unidade de atendimento.

Clínica Edouard Claparède
Avenida São Paulo, 3996, Vila Do Rosário - Ibirité
Linhas de ônibus: 1124 A e B
Telefone: (31) 3521-9500
Fax: (31) 3533 4066


Fonte: Site do Governo de Minas Gerais

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Violência e saúde mental na infância e adolescência

Violência e saúde mental na infância e adolescência é o tema da primeira edição de 2009 da Revista Ciência & Saúde Coletiva. A publicação foi organizada por Simone Gonçalves de Assis, Joviana Quintes Avanci e Renata Pires Pesce, pesquisadoras da ENSP.

A Revista foi publicada na versão impressa e está disponibilizada na base SciELO. Neste endereço também é possível ter acesso a outros números do periódico, que foi criado em 1996 pela Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco).


quinta-feira, 22 de julho de 2010

Procura-se Janaína


Procura-se Janaína
Direção de Miriam Chnaiderman, São Paulo, 2007. 54 min.

"Há crianças sem lugar no mundo. São crianças entregues a instituições e que não se desenvolvem nos padrões esperados: não são portadoras de deficinência, mas também não têm um desenvolvimento dito normal. Assim era Janaína, negra, pobre e institucionalizada na Febem dos anos 1980. Ela se debatia no berço e se machucava, ficava com a mão espalmada, não falava e não se relacionava com outras crianças. hoje duas décadas depois, onde estará Janaína?"

Miriam Chnaiderman é psicanalista e cineasta, e para realizar este filme, vasculhou os arquivos do Núcleo de Documentação do Adolescente (Febem) e os de outras instituições onde Janaína esteve.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

II Conferência Latino Americana e I Conferência Brasileira sobre Políticas de Drogas

O evento, organizado pela associação civil Intercambios, acontecerá no Rio de Janeiro, na UFRJ, nos dias 26 e 27 de agosto. A inscrição é gratuita e pode ser feita no site do evento até o dia 20 de agosto. A I Conferência Latino Americana sobre Políticas de Drogas aconteceu em 2009, na Argentina.




"A produção e uso de drogas são fenômenos plurais, com múltiplas manifestações, de acordo com o momento histórico, a cultura, o modelo econômico, a situação de um país, os vários significados que são atribuídos pelos indivíduos e as diferenças entre as substâncias. No entanto, insistem em homogenizar a “droga”, como se fosse um fenômeno único, atemporal e ahistórico.

Nos últimos cem anos, este tema tem sido tratado como uma “questão social”, os diferentes atores -incluindo o estado- tem contribuído para a sua construção como um problema social.

As políticas de controle das drogas expressam tensões, contradições e conflitos sobre a forma de regular a sua produção e consumo. Sobre essa esfera, os debates locais e internacionais são desenvolvidos.

No contexto da América Latina de enorme desigualdade social, de grande disparidade de renda e pobreza, esses debates não podem escapar do impacto das políticas de controle têm produzido na região: o isolamento social, desproporcionado reclusão de usuários de drogas, violência social e violação dos direitos humanos básicos.

Inaugurado em 2003, a Conferência sobre Política de Drogas tem por objetivo ser uma plataforma de discussão e elaboração de propostas superadoras."

Mais informações no site do evento.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Festival da Loucura

Acontecerá nos dias 15, 16, 17 e 18 deste mês
o 5º Festival da Loucura, em Barbacena, MG.


O Festival da Loucura terá programação cultural e científica, sendo que todas as atividades serão gratuitas. Dentre as atrações, destacam-se o espetáculo Tangos & Tragédias, o grupo de teatro de bonecos Giramundo, o romancista, dramaturgo e poeta paraibano Ariano Suassuna e o cantor e compositor Zeca Baleiro, entre outros convidados

Na sexta, dia 16, às 17 horas, no Hotel Senac Grogotó, a Professora Dra. Izabel C. Friche Passos fará o lançamento de seu livro "Loucura e Sociedade. Discursos, práticas e significações sociais".


No site do Festival é possível ver a programação completa e obter mais informações.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

A Casa dos Mortos

Indicação do Marcelo Cunha, o vídeo que postamos hoje é um documentário, de Débora Diniz, filmado em 2009, no Hospital de Custódia e Tratamento de Salvador.







Mais informações?

sábado, 10 de julho de 2010

Seminário debate os 20 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

A Prefeitura de Belo Horizonte, através da Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social, a Associação Municipal de Assistência Social (Amas), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o Instituto Ajudar, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Faculdade de Direito da PUC Minas promovem nos dias 12 e 13 de julho o seminário "ECA 20 Anos: Educar e Efetivar Direitos”, na sede a OAB-MG.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 20 anos no dia 13 de julho. Desde sua promulgação, em 1990, passou a ser reconhecido como uma das legislações mais avançadas em relação à proteção social à infância e adolescência no mundo. O evento pretende promover uma importante reflexão dos temas que envolvem a garantia de direitos da criança e do adolescente no Brasil, conforme determina a Constituição Federal de 1988.

O seminário será realizado entre 8h e 18h e contará com a presença de pesquisadores, estudiosos e representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. A palestra de abertura, “Modernidade, Violência e Exclusão: a Criança e o Adolescente”, será proferida pelo professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da PUC Minas, José Luiz Quadros de Magalhães, terá a secretária municipal adjunta de Assistência Social, Elizabeth Leitão, como debatedora e o presidente da OAB Seccional Minas Gerais, Luis Cláudio da Silva Chaves, como coordenador da mesa.


As inscrições estão encerradas.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Cobertura de saúde mental alcança 63% dos brasileiros

Em oito anos, cobertura de saúde mental triplica e alcança 63% dos brasileiros. Um portaria publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (29/06) autorizou o funcionamento de mais 28 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) no Brasil. Com isso, o número de instituições que garantem atendimento humanizado a pessoas com transtornos mentais, como depressão e esquizofrenia, saltou de 424, em 2002, para 1.541, em junho deste ano. Nesse período, a cobertura do serviço foi ampliada de 21% da população para 63%.

O Ministério da Saúde liberou R$ 8,4 milhões para o custeio dos novos CAPS. Eles estão distribuídos nos seguintes estados: Bahia (5), Pernambuco (4), Ceará (3), Minas Gerais (2), Goiás (2), Santa Catarina (2), Paraíba (2), Amazonas (1), Maranhão (1), Mato Grosso do Sul (1), Paraná (1), São Paulo (1), Rio de Janeiro (1), Rio Grande do Norte (1) e Rio Grande do Sul (1).

O atendimento comunitário, oferecido pelos CAPS, é um dos temas que estão sendo discutidos na IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial (IV CNSM-I), em Brasília. Até quinta-feira, especialistas, autoridades do setor e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) discutem propostas para melhor o atendimento de transtornos mentais no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

“Esses centros são serviços abertos que estimulam o tratamento do doente mental sem ele precisar sair da comunidade. O paciente mantém os laços com a família e pode continuar trabalhando”, explica o coordenador de Saúde Mental, Álcool e Drogas do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado. Dos 1.541 CAPS, 242 são exclusivos para receber dependentes de drogas.

NOTÍCIAS DA IV CONFERÊNCIA – Cerca de 1,5 mil pessoas participam do encontro. Hoje é o terceiro dia de debates, focando a consolidação da rede de atenção psicossocial e a as ações de inclusão para crianças e adolescentes com transtornos mentais. Também estão em discussão políticas específicas para enfrentar a dependência de álcool e outras drogas. O relatório final, com propostas que deverão ser implementadas pelo governo federal, será votado na próxima quinta-feira.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

IV Conferência Nacional de Saúde Mental

Foram divulgados na página da IV Conferência Nacional de Saúde Mental os textos de apoio para as discussões que têm início hoje. A Profa. Izabel Friche Passos foi convidada a escrever um pequeno manuscrito a respeito da formação, que oferece subsídio ao debate.

O texto da Profa. Izabel, Formação, Educação Permanente e Pesquisa em Saúde Mental, inicia-se a partir de questionamentos fundamentais:

"Se não formarmos profissionais comprometidos com o atual cenário de transformação das políticas públicas e das práticas no campo da saúde como fazê-lo avançar? Se não tivermos cidadãos usuários da saúde bem informados e preparados para uma participação ativa e consciente no controle social dessas políticas e práticas, como garantir que as mesmas atendam de fato às necessidades reais da população e de grupos específicos?"

Para ler o texto na íntegra, clique aqui.

Outros colaboradores como Lancetti, Ana Marta Lobosque, Tykanori, Marta Soares, Edvaldo Nabuco e Paulo Amarante, entre outros, enviaram textos de apoio. Para ter acesso a todos eles, clique aqui.

Outros textos podem ser encontrados na seção tribuna livre.

sábado, 26 de junho de 2010

Começa amanhã em Brasília a IV Conferência Nacional de Saúde Mental - Intersetorial

As Conferências de Saúde são fundamentais para a construção democrática das políticas públicas do Sistema Único de Saúde. A Saúde Mental já realizou três conferências setoriais, que produziram importantes deliberações que têm subsidiado a Política Nacional de Saúde Mental.

A intersetorialidade é um dos principais desafios colocados à atenção em saúde mental. Com a consolidação da reorientação do modelo assistencial, a necessidade de ampliação da garantia de direitos das pessoas com transtornos mentais e a intensa discussão da cidadania como princípio ético das políticas voltadas para este campo, é fundamental a articulação de diversas políticas sociais. A Saúde Mental tem destacado como parceiros privilegiados a Secretaria Especial de Direitos Humanos, o Ministério do Desenvolvimento Social, o Ministério da Justiça, o Ministério da Cultura, o Ministério da Educação e o Ministério do Trabalho.

Mais informações, textos e notícias no site da IV Conferência.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

II Congresso Brasileiro de Saúde Mental - 2010

Retornamos muito felizes com nossa experiência no II Congresso da ABRASME, realizado nos dias 03, 04 e 05 de junho, no Rio de Janeiro. No dia 03 realizamos a oficina "Saúde Mental de crianças e adolescentes no Brasil", com a participação de muitos dos membros de nosso laboratório (Jacques, Fábio, Isabella, Clarissa, Rúbia, Aline e Izabel) e também de estudantes, psicólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, psiquiatras e trabalhadores da saúde mental de várias regiões do país. Apresentamos as experiências de cada um em uma grande roda de conversa, vimos um pouco do que tem sido feito localmente e ampliamos nosso foco para a discussão em âmbito nacional. Foi muito gratificante ver o número de inscritos na oficina. Agradecemos a todos os que participaram, e aqui vão alguns registros desse momento!!






No dia 04, às 8:30, Fábio Dias e Isabella Barral apresentaram trabalho referente às experiências no cuidado de pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas, intitulado "Usuários de álcool e outras drogas: desafios para a política pública de saúde mental brasileira".


No mesmo dia e horário, Rúbia Moura apresentou o trabalho "Desfile do 18 de maio em Belo Horizonte: caracterização do processo e efeitos possíveis", dentro do eixo "Ações no Território: 18 de maio e intervenções na cidade".


No dia 05, às 15:50, houve apresentação de resultados preliminares da pesquisa "Construção e Desconstrução de demandas: uma cartografia dos dispositivos de saúde mental infanto-juvenil da cidade de Belo Horizonte", encerrando a participação da equipe no Congresso.

Dia 04, às 12:15, no hall do teatro Odyllo Costa Filho, nossa coordenadora de pesquisa, Izabel C. Friche Passos, lançou seus livros "Reforma Psiquiátrica: as experiências francesa e italiana" e "Loucura e Sociedade - Discursos, Práticas e Significações Sociais". Aqui vão mais alguns registros...






Nossa visita ao Museu do Inconsciente também foi muito interessante. Adoramos ter participado da mini-excursão e do que pudemos ver por lá: o ateliê de trabalho dos usuários, o local de conservação das obras, um acervo impressionante! Foi muito bacana. Aí vão mais algumas fotos:








Tivemos ótimos momentos de reflexão e produzimos bastante, trazendo novas e importantes contribuições para nossa pesquisa. Aguardamos todos no III Congresso!! Abraços!

sexta-feira, 18 de junho de 2010

II Jornada Jacques Derrida

A Faculdade de Letras da UFMG promoverá no dia 25 de agosto deste ano a II Jornada Jacques Derrida.
O evento pretende reunir pesquisadores interessados no pensamento do filósofo, a fim de avaliar suas implicações teóricas e críticas no âmbito das ciências humanas e, em particular, no campo dos estudos literários. O evento propõe-se a debater as leituras, apropriações, transgressões, deslocamentos, contaminações, enxertos e traduções da obra de Derrida. Trata-se de avaliar as injunções da herança derridiana, no movimento contraditório imposto a todo legatário, que se apropria, mas também nega e relança seu legado para outras direções.
Interessa-nos refletir, sob o ângulo desconstrutor, as questões referentes aos diversos Atos de Leitura e de Literatura presentes hoje no debate acadêmico e que podem fomentar intervenções críticas na perspectiva do fortalecimento de Atos de Amizade, tal como formulado em Derrida; a amizade que acolhe o outro em sua alteridade. Propomos pensar a amizade para além das metáforas familiares e fraternalistas; uma amizade aberta para o outro, que não exclua e nem suprima a singularidade – portanto uma amizade como uma relação agonística nos moldes do herdeiro que questiona sua herança.

Clique aqui! para mais informações sobre o autor.

PROGRAMAÇÃO

Data: 25/08/2010

9h30 – Conferência de Abertura: Maria Esther Maciel.
10h30 – Café mineiro.
11h00 – Atos de Leitura: Vera Casa Nova, Ram Mandil, Luiz Fernando Sá.
14h30 – Atos de Leitura: Roberto Said, Sérgio Alcides, Wander Melo Miranda.
16h00 – Sessão de comunicações.
17h45 – Café mineiro.
19h00 – Atos de Leitura: Emílio Maciel, Reinaldo Marques, Myriam Ávila.


INSCRIÇÕES: até 28/06/2010
Proposta de comunicação: iijornadajacquesderrida@gmail.com
Valores da inscrição:
Professores: R$ 40,00
Alunos: R$ 20,00
Participantes sem apresentação: R$ 10,00.
O pagamento será efetivado na abertura dos trabalhos.
Resumos: até 300 palavras

Maiores informações: www.ufmg.br/derrida

quinta-feira, 17 de junho de 2010

1º Encontro Mineiro dos Estudantes Antimanicomiais


Em 30 de setembro de 2009, duas mil e trezentas (2300) pessoas, entre usuários, trabalhadores, militantes e estudantes, reuniram-se na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, defendendo as formas de tratamento que substituem o velho manicômio e permitem o convívio social aos indivíduos que possuem sofrimento mental. A “Marcha dos Usuários por uma Reforma Psiquiátrica Antimanicomial” fez acontecer o que parecia improvável: pessoas chamadas loucas, inválidas, com histórias de internações, se deslocaram para Brasília e foram recebidas pelo Planalto, em dez audiências em Ministérios, na Câmara e no Senado.

Durante a Marcha foi feito um chamado aos estudantes para um debate sobre a Reforma Psiquiátrica Antimanicomial. Um número significativo de estudantes apresentou-se e deu início a discussões produtivas sobre o tema. Na ocasião foram travados inúmeros debates e discussões que tiveram como resultado a criação do 1º Encontro Nacional de Estudantes Antimanicomiais (ENEAMA) que ocorrerá no mês de Setembro em Porto Alegre.


O I Encontro Mineiro de Estudantes Antimanicomiais pretende atrair estudantes organizados em entidades estudantis ou não a debater e se formar sobre o tema, para que estes possam retomar a discussão em suas Universidades de modo a levar estudantes instigados a repensar sua formação para o I ENEAMA.

Local: DCE UFMG - Centro e Campus Saúde da UFMG
Contatos: espacosaudemg@yahoo.com / maripassos14@gmail.com

Taxa de inscrição: R$ 15,00

Informações e Programação: espacosaudemg.blogspot.com

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Eventos Acadêmicos - Medicina/UFMG

  • Primeira Jornada de Toxicologia - Jatox
    A I Jornada Acadêmica de Toxicologia acontece entre os dias 16 e 18 de junho, sempre das 17h às 22h, no Salão Nobre, térreo da Faculdade de Medicina da UFMG. O objetivo da Jatox é contribuir para a divulgação de trabalhos científicos relacionados à toxicologia e para a formação mais qualificada dos profissionais da saúde.

    Informações: jatox2010@gmail.com
  • VII Jornada Acadêmica de Saúde Mental - Jasme
    A VII Jasme acontece nos dias 20, 23 e 24 de setembro de 2010, na Faculdade de Medicina. O objetivo da jornada é desenvolver o aprendizado e debater assuntos relacionados à Saúde Mental, além de estimular a produção e divulgação de trabalhos científicos da área.

    Informações: jasme-2010@hotmail.com

domingo, 30 de maio de 2010

Entrevista com Paulo Amarante

Pesquisador fala sobre evento
que discutirá rumos da saúde mental




No mês de junho, entre os dias 3 e 5, acontecerá, na cidade do Rio de Janeiro, o 2º Congresso Brasileiro de Saúde Mental, com o tema Loucura e saúde mental no século XXI: enfrentamentos, territórios e fronteiras. Organizado pela ENSP/Fiocruz, por intermédio do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial, em parceria com a Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme), o evento está com as inscrições abertas e acontecerá na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo o presidente do congresso e coordenador do Laps/ENSP/Fiocruz, Paulo Amarante, o campo da saúde mental vem enfrentando uma variedade de desafios, dentre eles, a necessidade de integração e operacionalização dos novos serviços, em substituição ao modelo assistencial tradicional, e uma interação entre a prática e as áreas de conhecimento que compõem o sistema de saúde como um todo.

A programação científica do 2º Congresso está sendo construída com diferentes modalidades de atividades, tais como mesas-redondas, palestras, oficinas, comunicações coordenadas, além de apresentações artístico-culturais, cujos conteúdos deverão refletir a produção intelectual, a pesquisa, os projetos de extensão e a produção artística e cultural que constituem o campo da saúde mental.

Mais de 2 mil pessoas são esperadas nos debates a fim de contribuir para melhorar a integração entre as diversas esferas da sociedade, com a intenção de promover os serviços humanizados e voltados para a saúde coletiva, bem como para a afirmação do Sistema Único de Saúde (SUS).

Confira, abaixo, a entrevista que Paulo Amarante deu ao Informe ENSP.


Informe ENSP: O 2º Congresso Brasileiro de Saúde Mental - Loucura e saúde mental no século XXI: enfrentamentos, territórios e fronteiras - acontecerá em junho. De que forma o tema será tratado?

Paulo Amarante: O tema abordará as perspectivas de superação do modelo psiquiátrico tradicional, manicomial, da discriminação e segregação das pessoas em sofrimento mental e de possibilidades de construir saberes e práticas de saúde mental que rompam também com as estratégias de patologização e medicalização da vida cotidiana.

Informe ENSP: Como o congresso está estruturado? Qual é o volume de trabalhos e perspectiva de público?

Paulo Amarante: Ao todo, recebemos mais de mil trabalhos. Vem gente de todo o país e de outros países latino-americanos. Será um momento privilegiado de encontro, debates e construção de caminhos coletivos de novas políticas e estratégias no campo, não apenas da saúde mental, mas da cidadania, dos direitos humanos, da saúde como democracia.


A conferência de abertura contará com a presença de convidados importantes, a começar pelo ministro Paulo Vanucchi, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República; Franco Rotelli e Ernesto Venturini, expoentes internacionais da reforma psiquiátrica; Paul Singer, da Secretaria Especial da Economia Solidária; Maria Rita Khel, Antonio Lancetti, Miriam Chnaiderman e Gregorio Kazi, da Universidade Popular das Madres da Plaza de Mayo; enfim, muita gente engajada na luta antimanicomial.

Informe ENSP: Para a ENSP, qual a importância de organizar esse congresso?

Paulo Amarante: Para nós, a importância maior está em poder contribuir no processo de consolidação, aperfeiçoamento da reforma psiquiátrica no Brasil e de oferecer nosso recorte teórico e político, que é o de não pensar a reforma psiquiátrica exclusivamente como reforma de serviços, reforma administrativa, mas sim como transformação cultural, social e política, como transformação das relações entre sociedade e cultura.

Informe ENSP: Temos visto na sociedade um debate defendendo os manicômios como forma de tratamento das pessoas com sofrimento mental. Essa questão será abordada no congresso?

Paulo Amarante: Sempre existiram pessoas defendendo os manicômios. Em geral, são pessoas que têm interesses no campo, empresários de hospitais psiquiátricos ou pessoas que não aceitam os avanços no âmbito social, da igualdade, solidariedade e acham que os diversos, os diferentes deles, tenham de ser tutelados ou excluídos. Mas as práticas democráticas e solidárias têm tido terrenos mais férteis, graças às lutas dos movimentos sociais de usuários, familiares, técnicos e outros ativistas das lutas pelos direitos humanos.

Informe ENSP: Além do Congresso Brasileiro, está programada, para 2010, a Conferência Nacional de Saúde Mental. De que forma os eventos se relacionam? O que representa a realização desses dois eventos e do reconhecimento da importância de se abordar a saúde mental em todo o país?

Paulo Amarante: O congresso é uma excelente oportunidade para que as pessoas que irão à IV Conferência Nacional de Saúde Mental possam trocar algumas ideias, debater aspectos fundamentais da política nacional de saúde mental antes do evento. Os delegados que estão sendo eleitos nos estados terão a oportunidade de sentir as experiências e propostas dos pares de outras regiões. E, muito importante também, as pessoas que não são delegados e não irão à conferência poderão participar dos debates e contribuir nesses dias decisivos.

Informe ENSP: Você relacona a cultura e a saúde mental como forma de tratamento e de inclusão social. O Congresso Brasileiro de Saúde Mental trará apresentações culturais durante sua realização?

Paulo Amarante: Teremos muitas atividades culturais, como sempre, graças ao trabalho conjunto e sistemático que o Laps/ENSP/Fiocruz vem realizando com a Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural, do Ministério da Cultura. Estão marcados shows com as bandas Sistema Nervoso Alterado (com uma performance do grupo Camisa de Força), Harmonia Enlouquece e Lokonaboa , apresentações de teatro com Pirei na Cenna e muitos outros grupos de Teatro do Oprimido, do grupo Os Nômades etc. Haverá a exposição de murais de poesia Versamente, em homenagem ao poeta Jorge dos Milagres, desaparecido desde dezembro do ano passado, com apresentação de seus trabalhos em diferentes estilos, de Qorpo Santo, Lima Barreto, Torquato Neto, Austregésilo Carrano, do livro que originou o filme Bicho de 7 Cabeças, Marco Bahury, Alexandre Bellagamba; teremos ainda uma mostra de camisetas selecionadas do movimento da luta antimanicomial.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Fotos do Desfile do 18 de Maio








Dia Nacional da Luta Antimanicomial




Para quem está no Rio de Janeiro...
ENSP, TV Pinel e CRP-RJ se unem no Dia Nacional de Luta Antimanicomial - Nesta terça-feira (18/5) a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/Fiocruz, o Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro e a TV Pinel realizam o grande show ato em alusão ao Dia Nacional de Luta Antimanicomial na Praça da Cinelândia, das 15 às 19 horas. O objetivo é não só propor mudanças no cenário da Atenção à Saúde Mental, mas, principalmente, questionar as relações de estigma e exclusão que social e culturalmente se estabeleceram para as pessoas que vivem e convivem com a loucura. O evento contará com as atrações: Coletivo Carnavalesco Tá Pirando, Pirado, Pirou, Bloco Carnavalesco Loucura Suburbana, Harmonia Enlouquece, Chicas, Cancioneiros do IPUB, Pirei na Cena (grupo teatral), Poeta Chacal, Exibição do vídeo TV Pinel e apresentação de Rafael Carvalho (Zé Tonhão).

Para quem está em Campina Grande...
Estão programadas durante todo o dia atividades na Universidade Federal de Campina Grande.

Para quem está em Salvador...
Está programada para o dia 22 de maio, sábado, a 3ª Parada do Orgulho Louco em Salvador-BA. Esta atividade será promovida pelo Coletivo de Entidades Antimanicomiais da Bahia em parceria com o Conselho Regional de Psicologia da 3ª Região BA/SE.


E para quem está em Belo Horizonte...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Samba Enredo do 18 de Maio de 2010 - BH

TEC TEC TEC
(Criação Coletiva do Centro de Convivência São Paulo)

Tec Tec Tec Tectônica
Parece uma bomba atômica
Todo abalo à sociedade
Que vive sem a solidariedade

O Haiti também é aqui
Há em ti, há em mim a solidariedade
Com a Loucura contagiando essa cidade
A Liberdade ainda que Tan Tan
Tira da dor a felicidade

Nossa arte tá na rua
De mãos dadas à Loucura
Ela é minha e também sua
Aterremota a Ditadura
Então venha nessa entrar no nosso balão
Traga com você a criança do seu coração

REFRÃO (tec tec tec)

Basaglia viu e também anunciou
O Bispo pirou e sua arte iluminou
Salve o terremoto a favor da liberdade
Cantemos com toda energia
O Manicômio vá pra rima que o pariu

REFRÃO (tec tec tec)

Nem todo remédio cura nem toda receita é pura
Vamos quebrar a mutreta da indústria tarja preta
Descer a marreta, chutar o pau da barraca
Quero ver agora quem fecha a minha matraca


Para baixar o audio, clique aqui.
Créditos: Blog da Camila

segunda-feira, 10 de maio de 2010

18 DE MAIO – Dia Nacional da Luta Antimanicomial

Hoje colocamos no blog o texto da Comissão Organizadora
do 18 de Maio de 2010 em Belo Horizonte.

Falta apenas uma semana!

Muita história pra contar

E passaram voando os quase 365 dias depois do último Dezoito de Maio quando, mais uma vez, com graça e beleza, o movimento antimanicomial de Minas Gerais marcou o ápice da luta Por uma Sociedade sem Manicômios.

Em meio às manifestações do “dezoitão” de 2009, num evento no Senado, em Brasília, correntes conservadoras pediram e propuseram o retrocesso dos avanços da Reforma Psiquiátrica, considerando apenas as dificuldades, sem levar em conta as nossas conquistas e os avanços históricos da política pública de saúde mental no país.

E prá balançar as estruturas, textos do Ferreira Gullar, através de veículos de comunicação de circulação nacional, colocaram em xeque o que construímos e vivenciamos todos os dias nos serviços substitutivos. Críticas que destituíam de maneira leviana anos de conquistas de usuários, familiares, trabalhadores e militantes.

A nossa resposta veio à altura. Partimos em defesa do que acreditamos. O fizemos através dos blogs, e-mails e das cartas não publicadas pela mídia. E fomos mais longe. Minas levou a Brasília 23 ônibus para a “Marcha dos Usuários por uma Reforma Psiquiátrica Antimanicomial”. Retomamos os princípios da luta, a mobilização pelo país afora e o protagonismo dos usuários, herdeiros daquilo que começou com os especialistas, seus porta-vozes, até a construção da condição para que esses mesmos usuários-cidadãos pudessem falar de si e por si mesmos.

Essa é a luta por delicadeza que fazemos, uma luta que não é fácil, e muito menos simples. É vanguardeira e corajosa, porque desafia o conforto dos saberes, balança a acomodação dos conservadores e propõe uma outra sociedade, aquela onde não existam manicômios simbólicos, mentais, virtuais e tampouco os concretos, feitos de pedra e cimento.

E 2010 promete! A IV Conferência Nacional de Saúde Mental, uma das reivindicações da Marcha a Brasília, acontecerá, ainda no 1º semestre, em meio à construção e a realização do Dezoito de Maio. Por isso iniciamos mais cedo. E a manifestação pelo Dia Nacional da Luta Antimanicomial do ano de 2010 em Belo Horizonte já tem forma e conteúdo, construídos democrática e coletivamente pelos membros da comissão organizadora. Aqui o tom é a diversidade e as cores são as da liberdade de se expressar em cena, dizer o que se sente, desconsertando o previsível.

E pra iniciar o processo criativo, estimular as pesquisas, convidar os compositores e animar as alas, preparamos este breve texto que fala um pouquinho do processo de concepção do desfile deste ano. Boa leitura a todos(as)!

Há em ti, Há em mim

Milton Santos foi um brilhante geógrafo, intelectual e pensador das grandes questões da humanidade. Ele era baiano, de lá saiu e, contra todas as previsões da dura realidade de nosso país, dado ser ele negro e nordestino, desbravou o mundo, inovou o pensamento da geografia e das próprias ciências humanas, e, principalmente nos fez a todos um convite ao pensamento crítico sobre a nossa realidade. Em uma de suas últimas entrevistas diz que escolheu a geografia por sua opção pelo movimento e por sua paixão pela história e seus processos contraditórios. Milton Santos era um sujeito que sabia que nada se move por acaso e que não somos barco sem leme, soltos ao sabor do vento.

Das temáticas que tratou, uma que tomamos aqui emprestada é a idéia de território. Milton tratou os territórios como a matriz da vida social, econômica e política dos povos. Quanto olhava para um lugar não via apenas a geografia das formações geológicas e topográficas, das faunas e floras, do clima e dos fenômenos naturais. Via também sobre este lugar um povo e sua história, suas contradições, suas disputas, as relações de poder, via aqueles que oprimem e aqueles que lutam em sinal de resistência.

A construção do “18 de maio” começou neste ano de 2010 com uma bela reflexão sobre nossa realidade, uma análise de nossa conjuntura. Em nosso primeiro encontro, dia 20 de janeiro de 2010, estarrecidos estávamos todos com uma tragédia em um país caribenho, latino-americano, o Haiti, em que mais de 300 mil pessoas morreram, além de toda a devastação ocorrida e o desespero dos sobreviventes. Falávamos acometidos por todo o horror deste terremoto noticiado 24 horas por todos os veículos de informação a que temos acesso habitualmente. Nas televisões, rádios, jornais, internet, cenas de desespero de um país em ruínas. E ficamos todos a nos sentir meio impotentes diante do movimento natural da terra, que não controlamos, movimento de placas tectônicas que o tempo todo se esbarram, soltas que estão no imenso mar de lava das regiões mais centrais do planeta.

Mas como aprendemos geografia com Milton Santos, sabemos que o abalo sísmico atingiu um território, o Haitiano, seu povo, sua cultura, sua história. Mas que país é este e o que ele nos faz pensar? O que causa em nós, tão próximos e tão distantes deste território? E assim como Milton Santos, novamente, nos interessamos por tudo aquilo que é movimento. O movimentar das placas tectônicas não nos deixou boquiabertos diante do imponderável. Nos fez lembrar que tudo está em movimento e tais quais placas que se atracam e que causam terremotos é feito o curso da história. Muitas vezes algo tem que se chocar para que uma nova realidade se produza. Tomamos o movimento das placas tectônicas e os abalos que elas produzem como uma metáfora de toda contradição que se produz no encontro das diferentes formas de se entender a humanidade e a civilização. E que depende fundamentalmente de nós decidirmos o que faremos com os destroços que ficam destes terremotos.

Ficou exposta a insensibilidade dos governos no mundo globalizado. Um terremoto teve que acontecer no Haiti para “balançar” a sociedade mundial e que a mesma demonstrasse um pouco de solidariedade a um povo que já se encontrava de joelhos. Neste momento estão prostrados e ainda assim lutam pela vida. E o que neste momento se faz mais necessário é a solidariedade e o cuidado de um humano com o outro. As bases em que se organiza a sociedade humana têm aprofundado as desigualdades e apenas um chamado à união entre os homens poderá alterar esta realidade.

As diversas reações que esta tragédia provoca nos fazem pensar no sentido desta solidariedade. A dor do outro que também me dói, aquilo que existe em mim como gérmen de humanidade e de coletividade. Em meio às diversas manifestações de piedade e indulgências, aparece o imperativo da solidariedade. Ser solidário ao Haiti é tratá-lo não como um pedaço de coisa que desmoronou, mas como um país que tem história, que há anos é ocupado e expropriado, como tantos outros Haitis mundo afora.

Na luta por uma sociedade sem manicômios, muitos são os nossos terremotos, muitas são as nossas lutas de resistência. Somos um movimento solidário, buscamos o direito de existir em liberdade, ainda que tam tam! E neste ano de 2010 reafirmaremos a solidariedade como nossa bandeira. Só poderemos ter um mundo sem manicômios se entendermos que esta é uma luta de todos e que também se articula com tantas outras lutas. Apoiamos-nos e nos reconhecemos uns nos outros.

Solidariedade, um imperativo humano. Não temos tempo a perder, sejamos solidários já! Resgatemos todas as lutas dos povos contra aquilo que os oprime. Sejamos solidários com um simples gesto, lutar ao lado de quem resiste. A solidariedade, enquanto uma novíssima forma de organizar as relações, os coletivos, a produção, a economia. Apostamos no ser humano. Lembramos a todos: Solidariedade: Há em ti, há em mim.

18 de maio – Dia Nacional da Luta Antimanicomial
Tema: Solidariedade: Há em ti, Há em mim

~ 1ª ala (Comissão de Frente) – Ala da Solidariedade:
“Me empresta tudo que resta que lhe devolvo sonhos de sobra”

A solidariedade é o nosso eixo condutor para conceber o “18 de maio” - 2010. E abriremos o desfile falando justamente sobre esta idéia. A frase-tema surge ao resgatarmos um belo dizer que figurou em um cartaz de divulgação do “18 de maio” de anos anteriores. Ela é precisa ao definir, com delicada poesia, o que entendemos por solidariedade. Podemos imaginar a possibilidade de um encontro quando aquele que pode ajudar pede como empréstimo os fiapos de esperança, o pouco ou quase nada que o outro ainda tem, para devolver sonhos e perspectivas para seguirem em frente, ambos agora agigantados pelo que trocaram entre si. Esta será uma ala que fará a todos o convite a isto que, não nos resta dúvida, é um imperativo humano. É o momento de convidar a cidade a participar deste nosso chamado à união e solidariedade para transformar este cenário de exclusão, que atinge a todos nós, loucos ou não. E dizer que só existe solidariedade em liberdade: “a liberdade não pira, transpira, para assim podermos respirar os ares do respeito, da dignidade, do convívio com a diferença, da circulação e intervenção na cidade”.

~2ª ala – Ala da experiência da loucura:
“Libertar-te da dor, encontrar-te com a cor”

A ala da loucura já é tradição nos desfiles da escola de samba Liberdade Ainda que Tam Tam. Este ano, além de explorar toda a experiência dos delírios e alucinações, seu lugar para os sujeitos e acolhimento necessário para as singularidades, queremos explorar as relações desta experiência da loucura nos encontros com a arte. Longe de querermos cair nos clichês do "artista doidão" ou mesmo da "arte-passatempo", apontamos a arte como o encontro do ser humano com a possibilidade de expressão, de transformação de si e do mundo. Pensamos aqui uma homenagem e uma interlocução entre a experiência da loucura, que é inerente à condição humana, e a Semana da Arte Moderna de 1922, quando através da liberdade, marcou-se o fim das regras em um novo conceito estético. Esse movimento possibilitou a criatividade não subordinada às regras; com ele foi possível dizer o que pensamos e pensar no que dizemos. A obra se manifesta pela singularidade e não pela semelhança a modelos prévios, permitindo assim o extravasamento da subjetividade. Outro ponto importante na construção desta ala é o desejo deste coletivo há um bom tempo de levar de alguma maneira para o desfile, as obras dos usuários dos serviços de saúde mental. Valorizar o que se produz nos centros de convivência, grupos, oficinas, CERSAMs, CAPS, NAPS, associações de usuários, etc.

~3ª ala – Ala das crianças e dos adolescentes:
“Todas elas cabem no nosso balão”

Falar de solidariedade para crianças e adolescentes nos trouxe a uma discussão sobre a própria condição em que eles se encontram em nossa sociedade. Vivemos um mundo em que a competição entre os seres humanos tornou-se regra, e este mantra é levado ao limite de introduzirem esta lógica para todos desde os primeiros anos de todos nós. Desde a cobrança por desempenho escolar, por habilidades esportivas extraordinárias, a preparação para o vestibular que já se inicia antes mesmo da alfabetização, as agendas de uma vida adulta, são todos exemplos de como se cobra que as crianças e adolescentes se adequem a um padrão burguês de estilo de vida. E junto disso, quem não cabe neste rol de exigências, seja por que enlouquecem, seja por que são pobres, ou negros, ou gordos, ou lentos, ou hiperativos, ou por possuírem qualquer outro rótulo, acabam excluídos do processo e condenados a periferia da sociedade. São os que não deram certo. Será? Qual é a responsabilidade todos nós para virar esse jogo? Como trazer para a cena a diferença como virtude e a solidariedade como valor? Então, caminhamos pelas cantigas de roda, pela canção infantil, para buscar uma simpática afirmação do Balão Mágico: “Todas elas cabem no nosso balão”. Essa frase vem reafirmar que toda criança tem direito à infância enquanto um tempo para experimentar, criar, fantasiar, brincar e ser feliz. Todas têm direito a uma vida digna, direito a se desenvolver plenamente e todas cabem no mundo com suas diferenças. Queremos uma sociedade que cuide de suas crianças, que construa os valores da solidariedade a partir da educação, do cuidado e do afeto: Todas elas cabem no nosso balão.

~ 4ª ala – Ala dos movimentos sociais:
“O balanço da loucura aterremota a ditadura da razão”

Os movimentos sociais são entendidos aqui como as placas tectônicas que se movimentam e nesse balanço é possível desconstruir algo para provocar o novo. Frutos de uma vontade coletiva, os movimentos sociais são ações de caráter sociopolítico, e na luta antimanicomial eles têm o importante papel na construção de outra sociabilidade. Com o título “O balanço da loucura aterremota a ditadura da razão”, os movimentos sociais representam aquilo que com força e energia abalam as estruturas estabelecidas, denunciando, protestando e lutando por um mundo diferente. Muitas há que se provocar terremotos nas estruturas e fazer de seu movimento algo transformador. Os movimentos representam a resistência em favor da vida ao longo da história. São tenazes em seus objetivos e solidários na sua construção. Apesar de muitas vezes duramente atacados, covardemente perseguidos, resistem na sua luta por um mundo melhor para todos. É o nosso convite para que se juntem a nós todos aqueles com os quais construímos laços de solidariedade. As comunidades de resistência, as mulheres, aos negros, aos sem-terra, aos estudantes, aos que lutam pelo direito a moradia, etc. O nosso balanço é o movimento da vida que se contrapõem ao movimento da morte que o capitalismo produz. Nossa luta é pelo imperativo da solidariedade.

~5ª ala – Ala da denúncia:
“Que mentira é essa? Quem me tira dessa?”

Denunciar as mentiras travestidas de verdade, este é o fio condutor desta ala. As discussões sobre este tema surgiram a partir de uma análise crítica de usuários e trabalhadores ao projeto de lei do ato médico, que pretende fixar em lei que ficará ao médico a posição de decidir sobre todos os rumos de um tratamento de saúde. A alguns olhares menos atentos, passa desapercebido o retrocesso que tal lei poderia causar a bandeiras importantíssimas defendidas pelos que lutam por uma saúde integral para todos e por uma sociedade sem manicômios. Defendemos a integralidade como princípio do SUS e condição para um tratamento que respeite o vínculo e multiplicidade dos saberes. Mas não será esta, nossa única denúncia. Tantas são elas: "Seja feliz comprando Xiisss", ou que hospício é um bom lugar, cheio de paz para morar. A mentira de que a gente só vale pelo que tem; que psicocirurgia, eletrochoque e a hipermedicalização em moda hoje, só fazem mal ao bolso de quem paga, mas que vale o investimento. A mentira de que a vida humana resume-se a questão biológica. Denunciar a falácia de que os governos estão caminhando para a construção da paz no mundo e que estão deveras preocupados com a pobreza da grande maioria, e que irão, de verdade, implementar políticas de preservação ambiental. Desmascarar a fantasia colorida da eterna juventude e também os atos interesseiros que querem passar por solidariedade.

~ 6ª ala – Ala das conquistas da Luta Antimanicomial:
“Basaglia viu e anunciou, Bispo luziu quando endoidou”

E para o grand finalle, a última ala contará a história da Reforma Psiquiátrica, seus avanços e desafios até os dias de hoje, começando com um feliz encontro, quando rompemos fronteiras para dialogar com a experiência mais radical até então - Trieste na Itália. A vinda de Basaglia a Minas Gerais no 3º Congresso Mineiro de Psiquiatria quando, naquele momento, anunciou para todos nós a possibilidade de uma nova ordem no sentido da ruptura com a estrutura iatrogênica, violadora dos direitos, violenta e segregadora em sua essência: o manicômio. A experiência de Trieste, a vinda de Basaglia ao Brasil, as denúncias da situação do Hospital Psiquiátrico de Barbacena, foram um grande terremoto para nós. Fez colocar abaixo uma fachada de suposto tratamento para expor o horror que a segregação da loucura produz. E diante dos escombros, a luta antimanicomial ganha corpo e forma para dizer de sua luta. "Basaglia viu e anunciou, Bispo luziu quando endoidou!" é o nome dessa última ala que vai dizer da conexão Brasil – Itália, cujo resultado propiciou o tom e forneceu a medida para a concepção do modelo no qual propomos a superação da escuridão dos porões da loucura. E tomando emprestado mais um dos versos do compositor Airton Meireles, afirmamos que "Tá aí, saiu, a loucura tá nas ruas, tá na noite do Brasil!" E estaremos lá, em pleno centro da capital de Minas, para dar "mil vivas pelo que nos aviva!".

Saudações antimanicomiais!

sábado, 1 de maio de 2010

Simpósio Sulamericano de Políticas sobre Drogas

A Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude, por meio da Subsecretaria de Políticas Antidrogas, em parceria com a Assembléia Legislativa, Ministério Público, Associação Comercial, Instituto dos Advogados de Minas Gerais e SERVAS, realiza de 06 a 08 de maio o I Simpósio Sulamericano de Políticas sobre Drogas: Crack e Cenários Urbanos.

O evento tem por objetivo discutir e elaborar proposições efetivas frente às demandas do consumo abusivo de crack impostas à sociedade, tornando a política sobre drogas pauta das agendas setoriais do Governo. Será realizado no Centro Mineiro de Referência em Resíduos (Av. Belém, 40 - Esplanada / Cep.: 30285-010), em Belo Horizonte.

A abertura do Simpósio acontecerá na quinta-feira (06), às 08 horas e o evento prosseguirá na sexta-feira, das 08 às 18 horas, e no sábado, de 08 às 13 horas. Pesquisadores, estudantes e profissionais da área podem inscrever-se até o dia 04 de Maio. As inscrições são gratuitas.

Informações: (31) 3349-2500 ou issulamericano2010@yahoo.com.br





Leia a notícia completa clicando aqui.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Comemoração do 18 de Maio na UFMG!

SOLIDARIEDADE: HÁ EM TI, HÁ EM MIM
18 de Maio – Dia Nacional da LUTA ANTIMANICOMIAL


PROGRAMAÇÃO:

03 a 17 de Maio
Exposição de fotografias no saguão do ICB
Exposição de Fantasias na EEFFTO
Exposição de poesias na cantina da FALE

12 de Maio
Feira de artesanatos e obras de arte
confeccionadas pelos usuários da rede de saúde mental de BH,
na Praça de Serviços de 08:00 às 18:00.

13 de Maio
Coral Devotos de São Doidão
(usuários dos Centros de Convivência Pampulha e São Paulo)
na Praça de serviços, 12:00.

14 de Maio 05
Oficina de fantasias na Praça de Serviços, 17:00.

17 de Maio
Intervenção no Bandejão, 11:00.

18 de Maio
Dia do carnaval-manifestação nas ruas de BH!
Concentração 13:30 na Praça Sete!
Haverá um ônibus saindo de frente da Fafich 13h rumo ao Dezoitão!


MAIS INFORMAÇÕES?
DA-ICB: 3409-2543 / Isabela: 8438-3767
espacosaudemg@yahoo.com.br / http://espacosaudemg.blogspot.com/


REALIZAÇÃO:
ESPAÇO SAÚDE – Saúde é luta!
DA-ICB “Caminhar é preciso”
CAFITO “Porta Aberta”

domingo, 18 de abril de 2010

Reportagens sobre a Reforma Psiquiátrica

A Revista Viver Brasil trouxe uma série de três reportagens sobre os 30 anos da Reforma Psiquiátrica, dando destaque ao cenário mineiro.

As reportagens saíram nas edições 30, 31 e 32 da revista.

Na primeira reportagem da série deu-se destaque à discussão sobre as longas internações e as dificuldades ainda encontradas na substituição da lógica manicomial.

Na edição número 31, a segunda a trazer uma sessão dedicada à Reforma, a reportagem dá ênfase às modalidades de tratamento nos serviços substitutivos.

Na terceira e última reportagem, é traçada a história do antigo Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena, contando-nos sobre um passado recente e mostrando-nos um pouco da realidade dos pacientes nos dias de hoje.

Para quem se interessar, é só clicar aqui para ter acesso às edições da revista, que está inteiramente disponível online.

Após localizar a edição escolhida, é só procurar o link Reforma Psiquiátrica na relação de Sessões da publicação, à esquerda da tela.

Boa leitura a todos!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Vem aí o II Congresso Brasileiro de Saúde Mental!

Loucura e saúde mental no século XXI: enfrentamentos, territórios e fronteiras

"O campo da saúde mental vem enfrentando uma variedade de desafios; entre eles, a necessidade de integração e operacionalização dos novos serviços substituindo ao modelo assistencial tradicional e de uma interação entre a prática e as áreas de conhecimento que compõem o sistema de saúde como um todo.

No âmbito científico o campo da saúde mental é tradicionalmente fragmentado e socialmente representado, por especialidades clássicas como Psiquiatria, Psicologia, Enfermagem Psiquiátrica, Terapia Ocupacional e Serviço Social. Novos atores sócio-profissionais estão presentes neste campo, entre eles a Educação Física, a Pedagogia, as Artes Plásticas e a Fisioterapia, além de outros setores, como sistemas de Educação, de Cultura e de Justiça. São ainda atores sociais importantes na área da saúde mental os movimentos sociais como o Movimento da Reforma Psiquiátrica e o Movimento da Luta Antimanicomial e os movimentos artísticos.

Estes desafios têm sido amplamente reconhecidos no contexto dos vários dispositivos de desenvolvimento do campo da Saúde Mental.

Portanto, a realização do II Congresso Brasileiro de Saúde Mental é uma iniciativa amadurecida e plenamente legitimada. O evento tem o potencial de promover, historicamente, as aproximações necessárias dos diversos atores sociais, usuários, familiares, profissionais, acadêmicos e artísticos que fazem deste campo de práticas e saberes um dos mais vibrantes no âmbito do Sistema Único de Saúde. Desta forma a realização do II CONGRESSO BRASILEIRO DE SAÚDE MENTAL atende a uma necessidade na perspectiva da consolidação de um sistema de saúde, que tem como princípios a integralidade, a universalidade de acesso e a descentralização."

O II Congresso Brasileiro de Saúde Mental
será realizado nos dias 3, 4 e 5 de Junho na UERJ, Rio de Janeiro.

Para inscrições e maiores informações,
clique aqui.